A dor da perda.

Fez um ano dia 21 de Outubro que partiste para junto do Pai e nos deixaste fisicamente.
A doença não te matou, deu luta e tu lutaste para ficares só mais um pouco. E esse pouco foi muito.
Tudo o que possa dizer agora são apenas palavras soltas ao vento, mas tudo o que dissemos uma à outra foi de uma sinceridade inigualável. 
Guardo as tuas últimas palavras, o teu último olhar e o teu último sorriso no coração. 
Cumprirei o que me disseste sem pestanejar e sei que estás a olhar por mim com muito orgulho por eu estar feliz com as minhas escolhas e mudanças. Sabes que foi difícil. Os últimos dois anos foram dos mais difíceis da minha vida, por razões várias, mas o último porque tu não estavas. 
Quando ia à cozinha e não te via a ralhar com o avó para ir lavar as mãos antes do almoço e para colocar a placa na casa-de-banho.
Quando não tinha ninguém a perguntar-me que linhas ficavam bem em determinado pano, sabendo que esse pano seria para me oferecer.
Quando não tinha ninguém a dizer-me que estava magra e que tinha que me alimentar melhor.
Quando neste momento o teu sorriso me bastava.
Fica a saudade. A recordação.
De uma avó brilhante que sempre me deixou cantar e pular em cima da cama, que sempre me deixou estragar a sua permanente para brincar às cabeleireiras, que sempre me fazia o melhor leite com café e torradas com manteiga quando vinha da escola, que viu o Batatoon e os Morangos com Açúcar comigo e que ainda era mais fã que eu... 
Muito poderia dizer, mas o que te queria dizer, sempre te disse. 
Partiste para longe da vista, mas estarás sempre perto do coração.
Eterna saudade.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

... uma história bonita tem sempre pessoas reais

Festival da Canção, a minha crónica