Palavras, reflexões, desabafos #01

A força maior está no amor. Já dizia a canção.
Chaplin disse que o homem não deixa de viver quando morre mas quando deixa de amar.
Gandhi disse que o amor era a força mais subtil do mundo.
Eugénio de Andrade, um dos meus poetas preferidos disse que era urgente o amor.
Mas afinal o que procuramos todos nesta nossa passagem pela vida?
A minha mãe sempre me disse que eu tinha nascido para amar e para ser amada. Foi das coisas mais bonitas que me disse e que guardo sempre comigo. 
Mas será que chega o amor de Deus, da família, dos amigos...? Não sei. Não sei responder. 
Quero acreditar que me falta encontrar o amor de outra forma, mas acho que isso está longe de acontecer. 
Não sei porquê, mas o amor anda a fugir de mim. 
Coloco questões. Dúvidas. Muitas. Sempre. Desde sempre. A cada ano. Ao longo dos anos.
Santa Paula Frassinetti, fundadora da congregação das Irmãs Doroteias disse que se deixarmos o Senhor agir, tudo correrá bem. 
Acredito que ele agirá na minha vida quando achar que estarei à altura do desafio. 
Se calhar não é agora porque não tem que ser.
Achei que sim. Iludi-me. 
Serei eternamente a melhor amiga? A que ouve, a que escuta, a que consola.
Perguntas.
Respostas nunca as tive. 
Talvez um dia as tenha. Ou as encontre.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

... uma história bonita tem sempre pessoas reais

Festival da Canção, a minha crónica