estou de volta, mas quero voltar.

Este título que dei ao post que hoje vos escrevo pode parecer um pouco contraditório, mas não é. Ir a Taizé foi das melhores experiências que tive a oportunidade de ter. O impacto é grande se nos deixarmos envolver. O lugar, as pessoas, a oração, a fé, as relações... tudo ali o que é mais importante e valorizado é de facto aquilo a que deveríamos dar mais valor no nosso dia-a-dia. As relações humanas são fortalecidas quando nos desprendemos e nos entregamos aos outros sem máscaras, sem medos, sem armaduras que só nos afastam do nosso verdadeiro eu. Ali, naquele lugar mágico deixei-me surpreender pelo belo, o belo da surpresa. Não é fácil aguentar o impacto dos primeiros dias, o impacto da simplicidade, dos pequenos gestos na grandeza das pequenas coisas que tornam a vida um lugar de beleza como nos ensinou Paula Frassinetti. Em Taizé redescobri-me, descobri outros e vim de lá com certezas, dúvidas, inquietações mas com muita vontade de regressar. Conheci pessoas maravilhosas, fiz amigos que ficarão com certeza no meu coração e na verdade o que mais importa daquilo que levamos da vida são as pessoas. Percebi que o amor de Deus é imenso e passei a acreditar ainda mais neste Deus que é Amor e é por amor que devemos viver e ter esse atrevimento! 
Muita coisa poderia dizer, mas gratidão é palavra certa, gratidão pelas maravilhas que Ele fez em mim!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

... uma história bonita tem sempre pessoas reais

Festival da Canção, a minha crónica